1.11.05

Omeleta de Ogun

De longe já dava pra perceber que eu ia ter problemas. Haviam três deles. O Zé Pilintra estava encostado no meu carro, que aliás só vê água quando chove, vestindo um terno branco que continuava imaculado apesar do atrito com a sujeira. Ele estava fazendo as unhas com uma navalha, enquanto ouvia um som alto de um aparelho portátil a seus pés - um funk alto que embalava a dança frenética das duas pomba-giras dançando na porta do meu prédio.

Passei olhando reto, para o infinito, avoiding eye contact como reza a cartilha. Não adiantou. - Tá filiz agora, misifio? - O Pilintra mandou, com aquela marra de malandrão que só as entidades do Candomblé sabem fazer. Então era verdade, eles haviam destruído meu blog de propósito. Trincando os dentes, segui meu caminho e entrei no prédio. Do lado de fora, os três gritavam impropérios sobre a minha masculinidade, minha carreira de designer e minha faculdade de cinema. Eles sabiam aonde mirar.

Na manhã seguinte meu carro estava todo grafitado, os vidros quebrados, as rodas não estavam em nenhum lugar a vista. Uma família humilde tinha construído um barraco dentro do meu fiesta 2000. Chamei a polícia mas o César Maia disse ser contra qualquer tipo de remoção de pobres e os PMs ficaram parados do lado do carro olhando o grupo de 7 pessoas que estavam fritando um ovo em cima da minha caixa de câmbio.

Orixás definitivamente não sabem levar uma brincadeira na esportiva.

3 comentários:

Roxá disse...

Putz... tá na hora de você ir à sessão espiritual do descarrego... ou então, uma galinhazinha preta na encruzilhada, pra mostrar arrependimento.

Atualiza aê que eu sempre leio essa bagaça!

Steve Harpy disse...

Já estou acostumado com isso.
Um blog aqui outro ali, até o servidor parar ou qualquer outra coisa.

Rafael Ferreira Rosenhayme disse...

Tá morando em Paris? Que chique!